28 de novembro de 2008

Outras profissões que não me importava de ter

Porque adoro ser editora, mas porque também gostaria de ser muitas outras coisas, não me importava de:

- ser tratadora de animais num parque – passar o dia rodeada por eles, selvagens ou mais pacíficos, preocupar-me com o seu bem-estar, com a sua alimentação, com o estudo dos seus comportamentos;

- ser jardineira – ter como grandes preocupações a chuva e o sol, o frio e o calor, o vento e a geada. Sentir o cheiro da terra molhada, da relva acabada de cortar, ter os braços arranhados por ramagens;

- ser curadora de um museu – pesquisar e conhecer ao pormenor todas as peças, catalogá-las, torná-las atraentes e perceptíveis para quem as visita;

- ser arquitecta – talvez seja herança de família, sonhar com casas imaginárias e concretizá-las, poder entrar em espaços criados por mim, ver crescer edifícios rasgados saídos do meu papel;

- ser pet-sitter – ter um molho de chaves de casas diferentes, passar os dias a passear cães, a falar com gatos, a alimentar os periquitos e as tartarugas.

3-3. Três profissões ao ar livre vs. três profissões em espaços fechados. Não sei quais ganham. Mas sei que se um dia tivesse de fazer reboot não me atrapalharia.