9 de agosto de 2017

Nós, os afogados, de Carsten jensen

Muitas vezes, nos livros de palavras cruzadas, encontramos a pista: «Estilo de romance nórdico», e a resposta é «Saga». Pois é mesmo de uma saga que este livro se trata, escrito pelo dinamarquês Carsten Jensen e que já se tornou um clássico.

Nós, os afogados é a história da cidade portuária de Marstal situada numa ilha dinamarquesa, retratada ao longo de século e meio e abrangendo quatro gerações. Gerações de homens marinheiros, primeiro pescadores e depois comerciantes, mas também gerações de mulheres sós, as que ficam em terra sem possibilidade de enterrarem os filhos, maridos e irmãos que morrem no mar.

Com início em 1848, quando Laurids Madsen vive o auge da sua vida de marinheiro, a história passa depois para Albert, seu filho, que depois de encontrar o pai e de viver no mar se torna armador. E deste para o seu protegido Knud Erik, que acaba por ver nascer o filho em alto mar. Pelo meio, muitos naufrágios, muita fome, muita sede, muita chuva, muito sol e muita morte. Tudo com um realismo incrível, que em quase 800 páginas nos leva para um mundo muito próprio mas fascinante e que grande parte de nós desconhece.

2 de agosto de 2017

Explosão de cor








Os desenhos em si não têm nada de especial, a não ser uma extrema simplicidade e uma sensação de calma. Valem sobretudo pelas cores, sempre alegres e contrastantes sem causarem ruído. São pintados por Cathy Horvath e vendidos no seu site, com preços entre os $200 e os $400 para os quadros originais e $12.50 as reproduções. Vale a pena espreitar.

31 de julho de 2017

26 de julho de 2017

Aos Avós das minhas filhas...

... os meus Pais, que tão bem contribuem para fazer delas crianças felizes.

A Vovó à esquerda, o Vô Jão à direita.

21 de julho de 2017

Nós os quatro, quatro dias

O meu Pai, eu, a minha irmã e o meu irmão, numa viagem planeada pelo meu Pai para conhecermos parte das nossas raízes e, sobretudo, para estarmos os quatro juntos. A Terceira será a nossa casa, aquela que já o foi dos nossos antepassados.


Nota: As bebés ficarão muito bem entregues com a minha Mãe, que faz jus à expressão de que uma avó é duas vezes mãe.

20 de julho de 2017

Um ano

É sensivelmente o que me separa da próxima ressonância magnética e da próxima consulta de seguimento do que me sucedeu o ano passado no dia a seguir ao parto. Tendo em conta que no último ano o controlo era de seis em seis meses e de que os últimos exames não revelaram qualquer alteração, é um ano para respirar fundo. E tentar dissipar um pouco esta nuvem que às vezes paira por cima da minha cabeça.

13 de julho de 2017

Cuidar dos vivos, de Maylis de Kerangal

Simon tem 19 anos, é um jovem ativo, faz surf e gosta de se divertir. Numa madrugada bem cedo, ao regressar da praia com os amigos sem o cinto de segurança colocado, um acidente mergulha-o num coma profundo e irreversível de que nunca acordará. É a morte cerebral, em que o corpo vive mas a cabeça já não.

Este livro, passado em 24 horas (a contar mais ou menos da hora do acidente) debruça-se sob o tema da doação de órgãos e de como é difícil propô-la a alguém e, do outro lado, aceitá-la. A partir das 17h30, quando os pais finalmente dão o sim ao transplante do coração, pulmões, rins e fígado, uma engrenagem entra em funcionamento, para salvar quatro vidas espalhadas por França. Dá-se início à preparação do jovem, à vinda dos cirurgiões, à retirada dos órgãos e finalmente, às 23h50, à paragem do coração, o último órgão a ser retirado e o primeiro que terá de ser implantado, logo na madrugada que se seguiu ao acidente.

A autora consegue descrever de forma direta e precisa todos os procedimentos, ao mesmo tempo que de modo exemplar penetra nos pensamentos dos médicos, dos pais de Simon e até da recetora do coração, numa série de considerações que qualquer um de nós faria nas mesmas circunstâncias. Um livro bem duro mas muito bom.

Nota: Sei que o livro foi passado a filme, tendo estado até há muito tempo nos cinemas. Infelizmente já não o consegui apanhar, mas deixo aqui o trailer.


12 de julho de 2017

E a história repete-se

Disse-me a minha Mãe que em pequenos tivemos um brinquedo igualzinho, oferecido pela minha avó paterna, a Avó Luisa, e agora é a minha Mãe que a oferece às minhas filhas. É da Tupperware, a bola de atividades Shape-O, comercializada com a mesma forma há mais de 50 anos. E de facto, quando abri a caixa, algo na minha memória apitou. Só desejo que contribua para trazer às minhas filhas uma infância tão feliz quanto a que eu tive.

11 de julho de 2017

Quando a vida é madrasta (das más)


Além de questões do foro muito privado que se prolongam desde há mais de uma semana, nos últimos dias dois acontecimentos estão a marcar a minha vida.

O primeiro é o caso da mulher de um amigo a quem foi diagnosticado um síndrome raro que faz com que as suas artérias sejam muito finas. Após tentarem «desentupir» as carótidas, a artéria ilíaca dissecou, gerando uma hemorragia que obrigou a uma intervenção cirúrgica de emergência. A que se seguiu um AVC de que todos os dias havia notícias piores, com lesões supostamente graves. Esteve quatro dias em coma induzido, acordando ontem e, apesar de tudo, reconhecendo as pessoas e conseguindo alguma interação. A três dias de fazer a ressonância que verificará o meu estado de saúde após o que me sucedeu o ano passado, não consigo tirar isto da cabeça, além da preocupação com ela e com a família.

O segundo é o caso de uma amiga da minha Mãe, doente oncológica com as coisas a correrem não muito bem mas que reage de uma maneira fabulosa, celebrando todos os dias da sua vida. Conheci-a este fim de semana, uma mulher linda e elegante de 67 anos com uma pele sem rugas de rapariga de 30, com um sorriso tranquilo e tranquilizador.

Ponho-me a pensar em que lugar terrível preferia estar se tivesse de escolher. E não tenho dúvidas.

7 de julho de 2017

Amigos amigos, telemóveis à parte

Gosto muito de filmes italianos, e quando li a sinopse deste ainda me pareceu mais apetitoso. Um grupo de sete amigos (três casais e um divorciado) reúnem-se para jantar e, por brincadeira, decidem fazer um «jogo»: durante a refeição, que é longa como se quer em Itália, todos os telemóveis ficam em cima da mesa e todas as mensagens, chamadas e whatsapps a entrar serão lidos ou ouvidos em alta voz.

As primeiras comunicações a entrar são inofensivas, até que, num intervalo da refeição, um dos amigos pede ao divorciado para trocarem de telemóvel (sim, são iguais, ambos iPhones) porque vai receber uma mensagem de uma «amiga» que recebe todos os dias. Só que os telemóveis mantêm-se trocados e as revelações começam. Não apenas relações extraconjugais (reais ou virtuais), mas também outros assuntos particulares que guardamos só para nós. As «caixas negras» que todos carregamos abrem-se mais do que deviam e revelam que todos temos segredos, mais ou menos profundos.

A grande parte do filme passa-se no mesmo espaço cénico, a casa dos anfitriões, e quase em tempo real (o tempo que demora o jantar), o que torna a trama ainda mais tensa mas também mais cómica. No fim, amigos de longos anos revelam-se perfeitos desconhecidos, no fundo o título original do filme («Perfetti Sconosciuti»). Uma e hora e meia bem passada.


28 de junho de 2017

A loja dos suicídios, de Jean Teulé

Comprei este livro na Feira do Livro como uma comédia, mas não lhe achei assim tanta piada. Mas também não o achei macabro. Achei-o assim algo sem sal.

A família Tuvache tem uma longa tradição nos métodos suicidas, ao ponto de terem uma loja onde vendem todos os acessórios necessários para o cometer: cordas com laços de forca, armas de fogo, armas brancas, todo o tipo de venenos. E eles próprios, pai, mãe e filhos, são pessoas naturalmente tristes e soturnas, que só não se suicidam porque têm um negócio de suicídios para gerir.

Até que nasce o filho mais novo, Alan, uma criança alegre desde bebé que vem trazer gargalhadas a um mundo pautado pelo culto da infelicidade. Os pais chegam a lamentar tê-lo tido (concebido com um preservativo furado que vendem para transmissão de doenças venéreas), pois estraga-lhes a família e estraga-lhes o negócio. Só que Alan não desiste e consegue contagiar o que o rodeia.

Assim contada, a história parece interessante, mas a verdade é que não gostei do livro. Existe também o filme de animação, de 2012, que pelas críticas que li parece bom. A ver assim que puder para testar se o problema sou eu se é o livro.

20 de junho de 2017

Guardas de passagem de nível, de Carlos Cipriano

Os Retratos da Fundação são sempre uma coleção em que aprendo algumas coisas. Para quem não conhece, são uma espécie de grandes reportagens em forma de livro e a um preço baixo (entre os €2,50 e os €3,50).

Este foi escrito pelo descendente de uma família de ferroviários, portanto por quem está bem dentro do assunto. E foca um dos postos mais baixos da carreira ligada aos comboios: as guardas de passagem de nível (sim, a enorme maioria são - ou, melhor, eram - mulheres), aquelas senhoras que fecham e abrem as cancelas antes e depois de os comboios passarem quando não há passagens desniveladas.

São retratadas talvez umas dezenas de mulheres, quase todas com cinquenta e muitos anos e das poucas profissionais que ainda restam em Portugal. Algumas ainda residem nas casetas, o nome que se dá às casinhas minúsculas de onde as vemos sair. Outras deslocam-se todos os dias para os seus postos. E outras, ainda, vão atrás dos seus postos. Como aquela que entra no comboio numa estação, sai noutra estação e vai rapidamente fechar a cancela umas centenas mais à frente na linha antes de o comboio que a trouxe passar, para depois a abrir e fazer o mesmo no comboio da volta. Ou outra, na linha do Vouga, que sai do comboio antes da passagem de nível, quando este abranda, faz o seu serviço e volta a entrar na composição uns metros depois.

Dei por mim com nostalgia da adolescência, quando tinha de passar por uma passagem de nível com guarda onde as pessoas se irritavam quando esperavam muito. Mal sabiam que provavelmente aquela espera lhes estava a salvar a vida. São vestígios de um mundo que vale a pena espreitar.

Nota: Podem ler sobre mais alguns destes livros aqui (Malditos - Histórias de homens e de lobos), aqui (A porteira, a madame e outras histórias de portugueses em França), aqui (Prematuros) e aqui (Na urgência).