25 de setembro de 2013

Declaração(ões) de voto

Este ano, pela primeira vez, voto em Lisboa para as autárquicas. Porque até sair de casa dos meus pais sempre votei em Alfragide, e continuei a fazê-lo durante mais uns anos. Com a vinda para o Parque das Nações, fiquei na área pertencente a Loures, e quando votei foi numa zona que não me dizia nada.

Por isso, é com grande satisfação que na minha primeira votação em Lisboa posso fazê-lo num grupo de cidadãos apartidário. Que não é mais um daqueles apartidários disfarçados, que não têm a marca do partido porque não lhes dá jeito, mas um grupo de cidadãos apartidário que já existe há muitos anos sob a forma da Associação de Moradores e Comerciantes do Parque das Nações (AMCPN). Uma associação que há anos luta por aquilo que interessa: o bem-estar dos moradores e do ambiente da zona onde está inserida. Graças à AMCPN conseguiu-se criar uma freguesia nova e coesa, melhorar algumas zonas verdes, instalar limitadores de velocidade. E agora, se este grupo Parque das Nações Por Nós ganhar, tenho a certeza de que muito mais será feito: a pressão para a existência de mais escolas públicas, o apoio aos animais abandonados que cada vez mais aqui são muitos, a criação de um centro de saúde.


Mas o meu coração está dividido entre o Parque das Nações, onde voto, e Alfragide, onde votei durante mais de metade da minha vida eleitoral. Porque ali vejo pela primeira vez uma alternativa viável ao partido que há anos (todos os de que me lembro) gere a freguesia. Preterindo as zonas menos nobres, não ouvindo os cidadãos, fazendo pouca ou nenhuma pressão para a criação de instituições públicas essenciais. Acredito sinceramente nas boas intenções de Mário Costa e da sua equipa, pela simpatia, pelo modo sincero como falam com as pessoas de todas as classes, pelas ideias importantes mas não idealistas que defendem para a freguesia. Por isso, hoje vou ao debate em Alfragide, que reúne os seus quatro candidatos e todos os habitantes que tiverem interesse em conhecer as intenções de cada um. Desta vez, acredito.

7 comentários:

GATA disse...

No caso da Amadora, o PS - na pessoa do Joaquim Raposo - limitou-se nos primeiros mandatos a seguir obra deixada pelo PCP, que foi quem governou a Amadora depois da subida a cidade em 1979 e que, como qualquer autarquia gerida pelo PCP, deu primazia à cultura - vide o Festival da Banda Desenhada, entre outros.

Alex disse...

Olha, pois eu, ao contrário de ti, será o último ano que voto em Lisboa.

Nadinha de Importante disse...

Vou votar onde sempre votei, e aqui na minha cidade as hipoteses não são boas!
Ou um candidato actor, filho de um grande actor português, mas que a nível de partido e capacidade autarquica, não me parece nada famoso!
Ou o sucessor da Antiga Presidente, que já não se pode candidatar, mas, em boa verdade, nunca fez nada pela cidade onde moro!

Teresa disse...

Concordo consigo! Também voto em Alfragide estas eleições pela última vez,pois vou mudar de casa,mas já não se aguenta este elitismo nesta freguesia!!!

Vespinha disse...

Eu estou contente com as opções que tenho... Gostava que se concretizassem no domingo. :)

Miguel Oliveira disse...

Olá Teresa, já conhece a nossa página (do Mário Costa) do FaceBook? :-) If not, deixo-lhe aqui o link:
www.facebook.com/psalfragide

Jorge Farromba disse...

Caro Marco

Agradeço que seja FACTUAL.
"um grupo de cidadãos apartidário que já existe há muitos anos sob a forma da Associação de Moradores e Comerciantes do Parque das Nações (AMCPN)"
Eu sou da AMCPN e não faço parte do Grupo Parque das Nações Por Nós, como outros elementos que estão noutras candidaturas ao Parque das Nações.

Considero lamentável que, sendo o Marco actualmente, presidente da AMCPN e pertença a este grupo de Cidadãos, confunda os papeis.