4 de março de 2014

Da importância de brincarmos com os nossos cães

Tenho, definitivamente, de brincar mais com a Loba, mas de preferência sem ficar com um buraco nas mangas dos casacos. Isto depois de ela ficar um pouco mais bem comportada e de ser esterilizada, que espero que seja em breve. Quero muito levá-la à praia.



9 comentários:

Lígia disse...

Até fico com uma lagrimita no canto do olho, no fim:') Eu, sempre que saio de manhã e os meus (mais o Zé, que a Emma por ela queria era voltar para o sofá) querem brincar e eu n tenho tempo, desfaço-me em desculpas e festinhas em vozes o mais pindérico que há...juro! Fico mesmo com pena de os ver de bola/corda na boca e eu a fechar o portão:( Mas quando chego, vou muitas vezes atirar-lhes umas bolas, ou no fim de semana vou dar um passeio grande com eles! Ainda ontem fomos ao Cabo Espichel, fazer a rota dos dinossauros os 4 e eles não podia estar mais felizes :)))

maria amor disse...

Nem sempre consigo brincar tanto quanto ele quereria (24 horas por dia) mas, sem dúvida, é um dos melhores momentos do meu dia! Uma felicidade sem cobranças =)

Maria Amor
mariaawor.blogspot.pt

Vespinha disse...

O meu medo é perdê-la, ela é tão estouvada que acho que não a posso largar da trela...

Lígia disse...

Oh, e achas que os meus vaão como? O Zé tenho a sensação que nunca mais o via se o soltasse!! Mas ato uma corda à trela e damos-lhe muito espaço...talvez um dia...mas tb tenho muito medo de os perder e depois ouço tantas histórias de cães que se perderam assim:/

Vespinha disse...

Com a Twiggy conseguia, bastava ter uma bola de ténis e ela vinha sempre... Mas tenho tanto medo de perder a Loba. Além de que ela é muito mais destravada!

Cristina Torrão disse...

A Lucy também era uma destravada. Nem sei como não a perdi, nem foi atropelada, estava sempre a fugir. A melhor solução foi uma trela "flexi", daquelas que aumentam (até 8 metros) e encolhem. Felizmente, temos um jardim com cerca a toda a volta. Não é grande, mas a Lucy também é pequena e deu sempre para brincar com ela lá. Agora, com dez anos e meio, está mais calma, graças a Deus ;) E, de há dois anos para cá, já a posso ir soltando da trela noutros lugares :)

Vespinha disse...

Depois da esterilização será dos primeiros sítios aonde levá-la. Tenho de arranjar uma dessas trelas extensíveis mas bem resistente. :)

Cristina Torrão disse...

Há trelas dessas para cães de diferentes pesos. Alguns educadores de cães não as aprovam, porque esticam, quando o cão puxa. Mas podem-se usar nas duas modalidades: deixá-la aumentar, quando a situação o permite, ou travá-la, quando o cão deve obedecer. No nosso caso, foi uma boa solução porque a Lucy sempre teve necessidade de muito movimento. E adaptou-se muito bem :)

Vespinha disse...

Tive uma dessas com travão para a Twiggy, mas a para a Loba terá de ser mais resistente...