21 de março de 2014

Um dos meus rituais estranhos


Não precisam de me dizer que estou a precisar de cortar o cabelo, porque eu sei-o e bem (apesar de ter o cabelo mais curto do que umas 80 por cento das portuguesas). Mas eu tenho uma superstição/ritual: corto sempre o cabelo na altura dos meus anos, em finais de dezembro, e depois só o volto a cortar no final da campanha, isto é, quando tiver todos os livros prontinhos. Está quase, mas falta o quase...

E depois, até dezembro, é cortá-lo sempre que me apetecer.

4 comentários:

GATA disse...

Eu, que já tive o cabelo comprido, ando em sintonia com o Governo e é corte atrás de corte! :-) E já não consigo imaginar-me com o cabelo comprido...

Vespinha disse...

Mais um mês e... zás!

Sérgio S disse...

Quem me dera a mim poder cortar o cabelo apenas uma vez por ano... Infelizmente corto de 2 em 2 meses, no máximo uma vez que isto de andar com o cabelo acima de (muito) curto não me deixa confortável. Sempre que vou cortar o meu cabelo fico com a sensação de ter sido roubado, afinal na pior das hipóteses, cortado à tesourada não demora mais do que 15 mins (à máquina cai para uns 10 mins), e pago entre €10 (ao pé de minha casa) e €16 euros (na expo).

Vespinha disse...

Eu adorava cortá-lo de 2 em 2 meses (eu adoro cortar o cabelo), mas agora por causa deste ritual faço uma pausa. :)

Se te queixas do preço, imagina eu, que o corte de mulher, vá lá saber-se porquê, é bem mais caro...