25 de junho de 2014

Das recordações escondidas

Saí de casa dos meus pais (agora da minha mãe) há uns 12 anos. E de vez em quando, muito de vez em quando, passo lá uma noite. Como quando a Loba foi operada, para estar mais perto se fosse preciso. Ou como um dia destes, em que lá fiquei para levar a minha mãe cedo à partida para uma viagem. O meu quarto lá em casa era enorme, talvez o dobro do que tenho agora, mas curiosamente a janela também ficava à esquerda da cama e a porta à direita.

Já em minha casa, e dois dias seguidos, quando acordei pensei estar lá, no meu quarto antigo, e ainda saí da cama um pouco baralhada (o contrário nunca aconteceu). Há coisas que não têm explicação.

5 comentários:

Katy Single disse...

Ahahahah desculpa mas teve piada!!!

Vespinha disse...

Pois teve, mas é uma sensação estranha. :)

Ana Chagas disse...


Eu trocava-me toda era com os interruptores da luz, dava por mim a apalpar a parede em busca de algo que não estava lá.

Vespinha disse...

Isso acontece-me é quando durmo em casa de outras pessoas, sobretudo naquelas casas em que os interruptores são mais altos do que o habitual...

Alex disse...

Há coisas que não se explicam...