25 de julho de 2014

Meninas, querem vender um carro? Então atenção a isto

Desde abril que tinha o meu carro à venda, através do Auto Sapo, do Stand Virtual e do OLX. Apesar de ter publicado uma descrição bastante precisa (estado do carro, número de portas e de lugares, número de km e consumos, motivo de venda...), apareceram-me respostas do arco da velha.

Houve quem quisesse trocar o meu carro por um Mercedes CLK de 2000, a gasolina, e dar-me a diferença. Houve quem me quisesse dar uma Kawasaki ZX 250 como retoma (apesar de no anúncio eu referir que um dos motivos de venda era ter um carro da empresa e uma Vespa). Houve quem me propusesse uma mota de água See Doo e até um Peugeot não sei de que modelo de 2000. E até quem, sem um bom dia ou boa tarde, se limitasse a enviar-me um mail do género: «€7500, aceita?».

A semana passada, um possível interessado pediu-me para ver o carro a meio da tarde. Lá fui, num dia de calor infernal, e sozinha porque a essa hora não é qualquer um que pode sair do trabalho para me acompanhar. No local, o sujeito começou logo a pôr defeitos no carro. Só três portas? Consumo de 5,5 L/100? 105 000 km? Como se tudo não estivesse bem explícito no anúncio. Mas esteve mais de uma hora nisto, piorando quando o foi conduzir e embirrando com tudo e mais alguma coisa.

No final, fui deixá-lo onde tinha o carro dele, e qual não é meu espanto quando o sujeito me propõe uma troca! Eu ficava com o Renault Laguna dele, com 10 anos, 80 000 km e um interior medíocre, e ele ficava com o meu Volvo C30, com 7 anos, 105 000 km e um interior quase impecável. E ainda teria de lhe dar dinheiro, porque o dele estava muito estimado, consumia o mesmo que o meu (!!!) e aguentaria muito mais tempo. Saí dali boquiaberta e a querer distância de tal figura.

Mas a história não acaba aqui... No dia seguinte tinha um mail dele no Auto Sapo. Não há descrição melhor do que as suas próprias palavras (os bolds são meus):

«Agradeço a sua disponibilidade e gostei de conversar consigo porque senti que é uma mulher séria e culta. Mesmo que não façamos negócio podemos tomar um café, sem for do seu agrado. Sugiro que para a semana nos voltemos a entrar até porque gostaria de ver mais alguns pormenos no seu carro, que não conhecia, e para continuar a conversa pois ontem pois o Sol estava muito forte. Percebi é uma mulher intuitiva e ineterssante e que me poderá ajudar a encontrar uma solução para ambos realizamos os nossos objectivos e ultrapassar esta crise de mercado. Sem perdermos muito mais dinheiro com os carros. Embora a marca e modelo do seu carro não seja uma primeira escolha, gostei do carro POR SER MAIS PEQUENO, poderia ser uma solução, devido ao facto de eu ter dois carros topo de gama, em muito bom estado, e necessitar de um mais pequeno para o meu filho e para eu usar na cidade.

Admito receber, a uma pequena diferença de valor em dinheiro (para a substituição de alguns coisas no seu e devido ao facto de ter gasto um valor consideravel para o manter o meu bem conservado por tempo identeminável).

Mesmo para estar parado penso que poderá fazar também um bom negócio com a troca, porque o meu a prazo tem um coeficiente de desvalorização muito menos acentuado que o seu, porque não se encontra nenhum no mercado igual com tao poucos KMS e tão bem conservado.

Se a Rita, entretanto não conseguir vender o seu esta semana ou na próxima liguei-me pois aí ja terei uma ideia mais concreta para falarmos... e se o tiver ligue-me na mesmo tomanos um café ao fim do dia... :-)»


Dá para acreditar numa coisa destas? Por isso, meninas, se tiverem um carro para venda, algunas conselhos:
- ponham sempre o anúncio em nome do marido, namorado, irmão, pai...
- nunca vão ao encontro do suposto comprador sozinhas;
- e, sobretudo, nunca esbocem um sorriso que seja.

Eu respondi-lhe à letra, nunca mais me disse nada e felizmente três dias depois tinha o carro vendido a uma amiga, que está feliz e que me tirou um peso de cima. Mas nunca se sabe como uma coisa destas pode acabar.

15 comentários:

Nadinha de Importante disse...

Estava a pensar usar um site desses para venda do carro. Agora, até, estou com medo!

Ana Chagas disse...



Estou boquiaberta!

CAP CRÉUS disse...

Que grande anormal.
Para além de se armar em esperto com a trampa do carro dele, ainda te deu uma batência sem sentido.
Só machos latinos, neste país.

Vespinha disse...

Também eu fiquei boquiaberta quando isto me aconteceu... A minha sorte é que vendi o carro (a uma mulher) três dias depois. :)

Vespinha disse...

E o carro dele era mesmo velho, apesar de relativamente bem tratado! Há dias fui ao Sapo ver o preço de outros do mesmo estilo, e até me ri quando me lembrei de que ele queria impingir-me o dele e ainda que eu lhe desse dinheiro. :)

Sonia S P disse...

Um tesourinho perdido :)

Caco disse...

Que horrorrrrr!!!

GATA disse...

Tu nunca devias ter ido sozinha, em primeiro lugar! Até tiveste sorte! Quando vendi o meu carro, levei o meu advogado comigo! :-)

Mamã disse...

Cretino!
Se, algum dia, tiveres necessidade de vender outro, faço-te uma sugestão:
- Vamos ao Centro de Dia, onde faço voluntariado, e, peço, a uma das utentes mais idosas, se não se importa de te acompanhar, a "esse" encontro.
Esquece...
Mil beijinhos.

Mamã disse...

Desculpa.
Esqueci-me de dizer uma coisa:
- A sugestão que fiz, de te fazeres acompanhar de uma senhora idosa, do Centro de Dia, onde faço - voluntariado, é extensível a todas as tuas amigas e conhecidas.
Tenho a certeza que as Sras. iam "adorar"...
Beijokas.

Vespinha disse...

Elas iam adorar! E estes chico-espertos levavam um balde água fria... :)

Vespinha disse...

Gata, um advogado também acho demais, mas de faço sozinha nunca mais...

Vespinha disse...

*de facto

Anabela Julião disse...

Quando comecei a ler até me arrepiei... Tu foste sózinha??? Nem queria acreditar ou então sou eu, que sou uma medricas... e foste dar uma volta com ele no carro??? Vá lá!!! Nem tudo é mau, vendeste-o logo de seguida!!! Ufff :D

Vespinha disse...

Eu nestas coisas sou um bocado destemida, nunca pensei sequer em perigo... E se te disser que durante quase um ano vivi sozinha num prédio em que nem as luzes das partes comuns estavam a funcionar? Andava sempre com a lanterna do telemóvel. :)