21 de julho de 2014

O poder multiplicador da morte

Numa tragédia como aconteceu na semana passada, em que morreram 298 pessoas vítimas da estupidez humana, não morreram «apenas» 298 pessoas. Morreram com elas todos os filhos e netos que aqueles aqueles e crianças um dia viriam a ter. E morrerão muitos milhares vítimas de sida, cujos melhores investigadores do mundo viajavam naquele avião.

Sim, é verdade, não se limita a uma tragédia individual e familiar, é uma tragédia para humanidade. No voo MH17 da Malaysian Airlines viajavam alguns dos maiores investigadores da área da sida, que se dirigiam a um congresso na Austrália. E eram verdadeiramente os melhores, entre os quais o holandês Joep Lange, antigo presidente da Sociedade Internacional da Sida e um dos grandes impulsionadores da prevenção e terapia da SIDA nos países em desenvolvimento.


Uma morte nunca é só uma. E 298 mortes foram muitas mais.

5 comentários:

Nadinha de Importante disse...

Realmente, uma tragédia sem palavras!

Letra de Médico disse...

É, de facto, uma tragédia. Sem palavras. Ficámos mais longe da cura/tratamento mais eficaz do hiv.

Visitem:

letrademedico.blogs.sapo.pt

CAP CRÉUS disse...

WWIII...
Pensa nisto :-(

Vespinha disse...

É verdade, já tinha pensado... :(

GATA disse...

Já não bastava a tragédia, as famílias ainda têm que lidar com a 'mafia' das autoridades ucranianas e russas...