28 de agosto de 2014

Mais um ano de Barrancos


E começaram hoje mais uma vez as touradas em Barrancos, as únicas em Portugal com touros de morte, legalizadas desde há 12 anos.

Mas mesmo antes disso celebravam-se anualmente, e lembro-me bem de uma reportagem que tive de fazer quando trabalhei no Público. A polícia que semicerrando os olhos ia encaminhando os visitantes, as pensões onde os toureiros tinham os seus pequenos altares e os seus trajes de gala, as bancadas na praça principal feitas de toros de madeira, a entrada e a lide do touro e o momento em que lhe espetavam a espada no cachaço.

O momento em que tive de fechar os olhos.

5 comentários:

CAP CRÉUS disse...

Desejo a morte a todos esses fdp que pululam em barrancos. E mais: Nunca irei a barrancos gastar dinheiro.

Ana Chagas disse...



Acredito que teremos a felicidade de, no nosso tempo de vida, ver esta prática indigna condenada à extinção. Imagino o momento em que a sociedade, numa voz única, se lembrará das touradas como algo a ficar no passado, a nunca repetir.

Vespinha disse...

Quem me dera ainda poder assistir a isso...

GATA disse...

Um implosão em Barrancos, JÁ! Mas antes retirava os animais de quatro patas. As bestas de duas pernas é que eu ficava a ver serem reduzidas a pó!

Vespinha disse...

Eu fui porque fui «obrigada» a ir... foi péssimo...