26 de setembro de 2014

Das previsões meteorológicas

Saí de casa de manhã de Vespa porque ao fim do dia ainda queria ir a casa da minha mãe e depois ao El Corte Inglés inscrever-me num curso. Ontem tinha visto que só choveria no sábado, por isso fui descansada. Cheguei à editora e logo me perguntaram se estava doida porque vinha aí tempestade. Fui rever as previsões. Confirmava-se fortes chuvadas a partir das 15h com agravamento às 18h. Eram 16h e nada. Às 17h o céu começou a ficar ligeiramente escuro e decidi sair mais cedo, sem fazer nada do que tinha planeado para não apanhar uma carga de água. Cheguei a casa pelas 18h. Nada de chuva. Às 19h caíram umas pinguitas. Neste momento o céu está limpo, mas a meteorologia continua a prever tempestade, para hoje e amanhã.

Pergunto-me: Como é que com todos os avanços da técnica não se consegue fazer uma previsão meteorológica de jeito? Já não peço uma previsão acertada a 3 dias, muito menos a 1 dia. Peço que acertem pelo menos com a antecedência de umas horas. Mas não. Gostava que me explicassem porquê. É que se eu não fizer bem o meu trabalho sou chamada à atenção.

6 comentários:

Nuno Gomes disse...

Não seja assim...eles acertam tantas vezes

Mamã disse...

Aquilo que acho, mesmo "esquisito" é estarem a dizer que está bom tempo, e, a chover "cats and dogs". Devem "estar fechados", numa sala, sem janelas, e, insonirizada...
Bjñs

Ana Chagas disse...



Olá Vespinha :)

Das melhores coisas que fizemos estas férias foi ignorar por completo as previsões metereológicas.
Não houve dia, ou quase, que a previsão não fosse de trovoada, chuva e dia feio. O resultado é que todos os dias fizemos praia ou caminhadas. ;)
No meu caso, ainda bem que se enganaram!

Sérgio S disse...

Tentar adivinhar o futuro não é nem nunca será uma ciencia exacta pelo que erros nestas previsões (por alguma razão são chamadas de previsões), irão sempre acontecer.
Eu não sei bem como são calculadas mas deduzo que não seja um processo manual: existem sensores (estações) espalhadas pelo território a ler dados e a transmiti-los para um sítio centralizado onde são processados através de modelos de previsão. Mas esses modelos refletem situações padrão: tudo o que se desviar da média leva a que as previsões falhem. Para além disso estes cálculos devem ser feitos duas ou três vezes por dia apenas pelo que nos intervalos muita coisa pode acontecer. Mesmo recorrendo a informação de satélite, esta não é adquirida, transmitida e processada instantaneamente: dependendo dos sensores dos satélites utilizados, o ciclo todo pode durar algumas horas. Claro que quando mais detalhada for a informação melhor é a previsão, mas mais tempo demora a aquirir e a processar pelo que no limite pode nem ficar disponível em tempo útil.

Anónimo disse...

E gastaram pelo menos 800 mil euros a apetrechar o IPMA para disponibilizar a todos os portugueses previsões de hora a hora e de qualidade, dizem. Acertaram na mouche!
http://www.sol.pt/noticia/102712

Vespinha disse...

Ontem erraram novamente, previram um dia de chuva e esteve um dia de sol... Já nem falo da previsão de uns chuviscos de vez em quando, ou de grau a mais ou grau a menos. Mas são previsões radicalmente diferentes...