11 de setembro de 2014

Já pensaram em fazer o testamento vital?


Eu tenho lido algumas coisas sobre o assunto e vou fazê-lo, assim como os meus pais. No fundo, é uma declaração em que qualquer um de nós inscreve antecipadamente os cuidados de saúde que pretende ou não receber no caso de no momento não ter capacidade de decisão. Isto se se encontrar com uma doença em estado terminal sem possibilidades de recuperação.

O processo é simples: basta imprimir o impresso no Portal do Utente, assinalar todas as opções que pretendemos (por exemplo, não ser submetido a reanimação cardiorrespiratória ou a meios invasivos de suporte artificial das funções vitais, recusar participar em ensaios clínicos...) e entregá-lo num dos balcões do Ministério da Saúde (ver lista aqui).

A partir daí, e durante 5 anos (validade do testamento vital que depois pode ou não ser renovado), a vontade ficará disponível para consulta dos profissionais de saúde, que assim poderão tomar decisões mais rápidas e mais seguras.

3 comentários:

Na Província disse...

Tenho um desafio para ti, lá no meu cantinho :)

Ana Roque São José disse...

Sabes que muitos nem sequer querem pensar nisto... Eu acho que deviam, eu penso e já partilhei várias vezes com o meu homem o que queria quando eu fosse desta para melhor. O testamento acaba por evitar algumas situações chatas como o desligar das maquinas. Vou tratar de começar a fazer o meu.
Beijo,
A.R.

Vespinha disse...

É uma das situações previstas no testamento vital. Se fores ver o formulário vais encontrar mais umas tantas, algumas em que nem pensamos até chegar a hora...