26 de fevereiro de 2015

Até na água nos roubam

Tinha ontem acabado de abrir a conta da água, sem perceber porque é que este ano tinha passado a pagar contas na ordem dos €16 por comparação com os €11 do ano passado, quando ouvi Bagão Félix no seu comentário semanal. Estava na rubrica «Número» e escolheu 1/3. E muito bem.

Assim, num ápice, ficou explicado o aumento na conta da água. Não, não andamos a consumir mais água, na verdade até consumimos a mesma. E a água propriamente dita representa apenas 1/3 do valor que pagamos na respetiva fatura. O que é o resto? Uma parte, aquilo que chamam quota de serviço, e o resto, quase metade, taxas várias para a Câmara de Lisboa. E foi aqui que se deu o aumento. Na minha fatura, a coluna dessas taxas, a maioria das quais inexplicáveis, aumentou para o dobro das parcelas e, em valor, de cerca de €3 o ano passado para €8 este ano.

Gostava muito sinceramente de saber como é possível pagarmos 3 vezes o valor do que consumimos e como é que estas taxas surgem assim, unilateralmente e sem qualquer explicação. Haverá alguém que nos defenda?

Bagão Félix na rubrica «Número».
Uma conta de janeiro e uma de dezembro. É visível
a quantidade de parcelas na do lado direito.
E aqui se vê a desproporção do sistema em que vivemos.

7 comentários:

Sérgio S disse...

Eu que sou de Oeiras, senti o mesmo estes dias quando recebi a conta da água. Cerca de 2/3 são taxas e taxinhas. Não fui comparar com o ano passado, mas chamou-me à atenção, e de que maneira.

Zélia Delgado disse...

Eu vivo em Odemira e a última fatura da água foi de 11,61€, dos quais apenas 3,94€ são efetivamente de água.

Ana Chagas disse...


Olá Vespinha :)

Excelente post!
Para responder à tua questão, não acredito que (já) exista quem nos defenda. Acho que cada um de nós tem que vestir esse papel.
Durante anos incontáveis este organismo e muitos outros habituaram-se a tomar decisões de forma unilateral, sem explicações nem permissão. Ajudou-os imenso o facto de sermos um povo que muito raramente questiona e trava as decisões alheias, mesmo aquelas que nos dizem respeito.

Vespinha disse...

Pois, estou a ver que o problema é transversal a todo o país, julguei que fosse só aqui... Será que a Deco pode ser uma ajuda? Já me t~em resolvido alguns problemas, mas sempre com empresas privadas e não com órgãos públicos.

Ana Chagas disse...


Pois não sei dizer que não sou associada. Mas, independentemente de ser público ou privado, estamos perante um organismo que vende um produto/serviço, logo as mesmas directivas devem aplicar-se, presumo.

dedinho disse...

Aqui aumentou para o dobro em 5 anos. Pena que não possa dizer o mesmo do ordenado (que é menor, claro)...

Vespinha disse...

É hoje acabo de ouvir no telejornal que vai aumentar novamente no litoral...