25 de junho de 2015

Talvez a primeira mulher numa scooter (em 1916!)

Lady Norman na sua scooter. (Fotografia de Paul Thompson/Getty Images.)

Chamava-se Florence Priscilla, ou Lady Norman, era uma ativista pelo voto das mulheres, e a scooter foi-lhe oferecida pelo marido para se deslocar em Londres no início do século XX. Na sua vida, além destes dois feitos extraordinários, ainda geriu um hospital em França durante a I Guerra Mundial.

A scooter é uma Autoped, dobrável e fabricada pela Krupps, e era também muito usada pelos serviços postais norte-americanos e, curiosamente, por alguns gangues de Nova Iorque para fugirem da polícia por ruas estreitas.

5 comentários:

Ana Chagas disse...


Olá :)
Agora fizeste-me gostar ainda mais da minha trotinete nova! :D

Vespinha disse...

A sério, tens uma? Que giro!

Ana Chagas disse...


Comprei na Decathlon para aproveitar a marginal sem trânsito que ocorreu há umas semanas. Recomendo, a sério! É tão divertido, e se alguém como eu consegue manobrá-la, é a prova que qualquer um consegue! ;)

Vespinha disse...

Nem sabia que havia para adultos... Quanto custou? Fiquei com vontade de experimentar!

Ana Chagas disse...


A que eu comprei é uma oxelo town 7 xl. Existem modelos para vários preços. A minha apanhei-a a cerca de 80 euros. Foi a escolhida porque tem suspensões e quando a experimentei na loja achei que tinha uma óptima estabilidade.
É super prática: foi pensada para fazer médios e longos trajectos na cidade, tem a funcionalidade de se dobrar (a parte do guiador deita-se sobre a base) e tem uma alça para a poderes levar ao ombro.
Por mim, passou no teste com distinção. E sim, o facto de ter suspensões realmente faz toda a diferença, como pude comprovar nos 11km de alcatrão que fiz ao longo da marginal!