11 de dezembro de 2015

De (algumas) novas marcas portuguesas

Proliferam as marcas portuguesas que recuperam produtos tradicionais, lhes dão um ou outro toque e os relançam no mercado. Quanto a isso, só tenho elogios a fazer. O que não consigo perceber é como (e porquê) se arriscam (e atrevem) a vender esses mesmos produtos por preços muitas vezes proibitivos.

Ora vejam alguns exemplos:

- sapatos «de forcado»

Sapatarias Fernando, €90
Caxuxa, €265


 - chinelos de trapos

Pequena loja em Viseu, €7


Stró, €20
- botas de agricultor

Feira de S. Pedro de Sintra, €20

Green Boots, €195


Recuperar os produtos mais tradicionais portugueses, muito bem. Agora vendê-los a peso de ouro (sobretudo quando existem à venda muito mais baratos) é que não. O marketing paga-se, claro, mas tanto?

18 comentários:

Ricardo disse...

De facto, também fico estupefacto com certas coisas. Seja calçado, vestuário, mobiliário... e depois ainda se queixam de não venderem!

Há que ter bom senso e ver o quanto deve ser a margem de lucro.

Ana Chagas disse...



Que abuso!!!

Blackye disse...

Realmente. Esquecem-se que apesar de haver quem tenha esse poder de compra, muitas vezes, também olha para o preço.
Os sapatos de forcado da marca Caxuxa custam tanto quanto uma vaca!
As botas da feira de Sintra são lindas...adoro o estilo! Também comprei umas na feira de S. Mateus, em Elvas, das que se usam agora com um elástico de lado...adoro-as mesmo. Excelente qualidade (20€).

Sérgio S disse...

Um bem vale aquilo que se estiver disposto a pagar por ele. A realidade é que muitos destes produtos não são para o cliente nacional.

Vespinha disse...

Blackye, também gosto muito dessas, conseguirei encontrar aqui por Lisboa?

Sérgio, que ponham margem, OK, mas deste calibre? Acho um exagero... mesmo no mercado internacional, não acredito que sobrevivam muito tempo...

Blackye disse...

Vespinha, eu já morei em Lisboa, na altura em que comprei as botas e realmente as poucas que encontrei eram de marca, ou seja, eram botas mais para "compor" do que para utilização mesmo. Por isso, dentro da cidade só se existirem lojas de equipamentos destinados ao trabalho rural (forcados, equitação, etc), mas fora de Lisboa, no Cartaxo, em Vila Franca, Santarém, etc, e em algumas feiras aí perto (consoante as feiras) sei que existem e são baratas. Estas botas são muito boas para o inverno e para trabalhar.

Pink Poison disse...

Vou à falência contigo :)

Vespinha disse...

Blackye, vou procurar!

Pink Poison, só se optares pelos produtos mais caros! :)

Ana Chagas disse...


O Sérgio S. tocou num ponto fulcral: muito do que se produz em Portugal simplesmente não se destina ao mercado interno.

Há muitos anos que ando a dizer que as empresas portuguesas não sabem produzir para os portugueses. O que triste especialmente quando pensamos que somos dos melhores do mundo em muitas categorias, inclusive nos têxteis e calçado.

E creio que está tudo relacionado com as margens de lucro. Acredito que existe um desrespeito pela grande maioria dos consumidores nacionais, porque o poder económico é escasso, logo não é tão apetecível como outros mercados internacionais onde os consumidores não se importam de dar centenas de euros por um par de sapatos.

Para mim, foi esta mesma atitude que abriu as portas, de par em par, para os itens de fabrico asiático, de pouca qualidade e baixo preço. E depois queixam-se da falta de fidelidade do consumidor português para com as marcas nacionais, quando esta atitude começou pelas mesmas.

Acredito ser igualmente necessário e possível desenvolver produtos nacionais, de qualidade bem superior e com preços capazes de competir com os made in asia.

Blackye disse...

Vespinha, quando encontrares, publica. Já agora estou curiosa para saber se perto de Lisboa também se encontram botas assim. :)

Sérgio S disse...

Repara que um nicho de clientes premium que em Portugal corresponde a umas mil pessoas, noutro mercado o mesmo nicho pode corresponder a um milhão. Depois hoje em dia tens os canais de venda online que permitem chegar a clientes do mundo todo.
Há muita gente pelo mundo com muito dinheiro e disposta a pagar bem por certos bens, incluindo vinho, sapatos, etc., e os que se fazem em Portugal são dos melhores do mundo.

Vespinha disse...

É verdade, e como a Ana disse, este desencontro produtor-consumidor só leva à ascensão dos produtos asiáticos, de fraca qualidade e fabricados sabemos lá a que custo humano!

Claro que exportar é bom para o país, mas não se poderia tentar conciliar as coisas?

Por curiosidade, lembrei-me da marca de sapatos Fly London, que só há poucos anos descobri que era portuguesa...

Pink Poison disse...

Vespinha querida, é que eu sigo todas as tuas dicas, todas, caras ou baratas. A melhor de todas até hoje, foi a exposição Loucamente.

Vespinha disse...

Grande responsabilidade! ;) Mas essa exposição era mesmo boa!

ines disse...

Venham a uma calçado Guimarães (mas loja de rua!) e procurem bem que encontram sapatos iguais aos da fly entre os 39,95 e os 49,95. Botas de agricultor também temos aí à volta de 20e mas acho que só apartir do tamanho 39...depois também temos iguais mas em camurça por 19e se não me engano...mas têm é de procurar muito bem,pois costuma estar nos cantinhos das lojas. Alguma coisa perguntem! ( sou vendedora em alges,não ganho à comissão mas gosto do que faço e de encontrar o que os clientes procuram...e o comercio está tão mau,nem parece Natal!)
beijinho,à muitos anos que a leio :)

Vespinha disse...

Olá Inês, obrigada pelas dicas! Comprei lá há tempos, para a filha de uma amiga, uns sapatos de camurça lindos com franjinhas, das eles clássicos.

ines disse...

Os carneira são um classico que temos todo o ano e é pena só termos até ao 35 porque existe procura de mulheres :) sobre a qquestão de o calçado Nacional ser caro,varia consoante os fabricantes, mas isso tem tanto que se lhe diga....é história que fica para outra oportunidade!

Vespinha disse...

Sim, e eu calço 38/39. É pena!