18 de abril de 2016

Ainda sobre o caso Maria João Bastos e Amelie


Há uma semana, esta história de Maria João Bastos comoveu e revoltou quem, como eu, adora animais. Segundo a atriz, uma simples destartarização à sua cadela acabou em morte, por motivos ainda inexplicáveis mas que apontam para negligência veterinária.

Não estou aqui para comparar negligência médica com negligência veterinária, estou aqui para falar desta última. Porque é negligência na mesma, mau tratamento ou tratamento descuidado de um ser vivo cuja vida e bem-estar depositámos nas mãos de alguém. Alguém esse que não só não se preocupou quando o caso se agudizou como não assumiu responsabilidades. Alguém esse que trabalha numa clínica especializada e que se faz pagar bem.

Não posso deixar de falar do Hospital Veterinário Vasco da Gama, onde a situação ocorreu, porque também eu tenho um caso para contar, substancialmente menos grave mas que poderia ter tido péssimas consequências.

O ano passado recorri a este hospital para fazer análises às minhas gatas, uma vez que como tinha um seguro para elas me ficaria um pouco mais barato. Fez-se as análises e trouxe-as, para depois as mostrar à minha veterinária que as tinha pedido. Mas antes, em casa, lembrei-me de as comparar com as do ano anterior, e nas da TT encontrei um valor igual. E depois outro. E outro ainda. Verifiquei então que as análises, apesar de terem uma data atualizada, se referiam todas a 2014. Liguei para lá e, com a maior leveza, só me explicaram que tinha havido um engano na impressão e que iriam imprimir as atualizadas. Agora pergunto-me:
- como é que se imprime análises de 2014 com data de 2015?
- e se eu não tivesse feito a comparação e tivesse simplesmente confiado nos valores que me entregaram?
- e se os verdadeiros valores revelassem algum problema e nunca disso nos apercebêssemos?

Lidar com animais não pode ser só um negócio, mas algumas clínicas ainda pensam que sim. Que se se enganarem, paciência. Que é só um bicho. Que não podem ser responsabilizados por não estarem a lidar com pessoas. Mas podem e devem. Todos devemos ser responsabilizados pelas nossas ações. E quando se trata de seres vivos mais ainda.

Nota: Não posso terminar sem agradecer o acompanhamento veterinário que os meus bichos têm já há uns anos, na Clínica do Animal. Onde há seres humanos a tratar de seres vivos, preocupando-se todos os dias.

12 comentários:

CAP CRÉUS disse...

A sério??
É pá muito bom!
Surreal essa tua história. Enganaram-se sim...

Neste caso em particular, acho que a dona devia ter saído de casa no imediato e não ter esperado por uma "ordem" dos médicos.
Demasiadas horas com a cadela a sofrer.

Ana Chagas disse...


Bom dia :)

Também fiquei chocada quando li o relato da actriz. Sem pudores, acredito que negligência veterinária pode ser comparada a negligência médica, porque a confiança que depositamos nos profissionais é similar. Quando um médico ou veterinário nos aconselham, na grande maioria das vezes aceitamos o que dizem e o que fazem com a maior fé. Desrespeitar esta confiança, desmerecê-la é muito grave.
Acho muito bem que a MJB tenha partilhado a sua infeliz experiência. As clínicas veterinárias mais orientadas para o negócio e não para a vocação têm que sofrer na pele o seu erro, a sua má conduta.
Também nós temos tanta sorte nas profissionais que nos acompanham. Já as conheço há 13 anos e não troco a nossa Clínica por nenhuma outra.

Vespinha disse...

Também não sei se teria esperado tanto tempo para ir a uma urgência... Se tivesse absoluta confiança no(a) veterinário(a), como tenho nas minhas, talvez aguardasse. Mas se fosse numa clínica que conhecesse mal, não hesitaria. Não sei qual é o caso da MJB.

Nisto tudo, a única coisa boa é a visibilidade, uma vez que, ao contrário do que se fosse com um de nós, alguma coisa acontecerá certamente. E haverá bastante mais cuidado no futuro.

Nunca mais fui àquele hospital, claro, e acabei por cancelar o seguro de saúde.

Pink Poison disse...

Pois, o pior é que estão a gozar com senhora ao invés de apurar culpas...

Cristina Torrão disse...

Que história horrível! É claro que algo correu mal. Uma alergia podia provocar os problemas respiratórios, mas deitar sangue pela boca? Não! Espero que a verdade seja apurada!

No teu caso, deram-te depois os valores atuais das análises?

Anónimo disse...

Não podia concordar mais! Nos últimos anos com o aumento dos animais de companhia nasceram clinicas veterinárias por todo o lado e muitas vezes visam só o lucro. Num outro do Parque das Nações, a primeira consulta a que fui correu bem, a segunda era uma veterinária muito novinha que achei que metia os pés pelas mãos e disse-me coisas contrárias às que a colega me tinha dito na consulta anterior e a terceira consulta..., que foi com o dono, e que era só uma vacina, foi de loucos... então não é que começou a opinar sobre a raça do meu cão, como se tal fosse de sua competência e enumerou-me todas as intervenções que o cão iria necessitar (a raça tem características específicas e propensão para algumas coisas, mas sobre as quais me informei adequadamente antes de tomar a decisão de o ter )para me preparar e que o melhor era fazer já um seguro?! (coisa que até tenho para se for REALMENTE necessário ele fazer alguma cirurgia daquelas que POR VEZES a raça necessita)
Ah isto foi quando ele tinha 6 meses e não tinha absolutamente indicação nenhuma para qualquer cirurgia... claro que nunca mais lá fui, passei a ir a Algueirão, mas é um hospital veterinário com muita experiência na raça!
Eu acho que neste momento há clinicas veterinárias em que no corpo clínico não há ninguém com mais de 2/3 anos de experiência....
E erros obviamente que todos cometemos, mas a falta de explicação sobre o sucedido é que me choca, porque honestamente não acredito que a cadela tenha saído de lá a 100% e a obrigação da veterinária era ter detectado isso!

Lúcia disse...

No comentário anterior comi palavras... faltou: num outro hospital veterinário do Parque...

Cristina Torrão disse...

Quanto mais penso no caso, mais convencida fico de que houve grande erro. Então, se suspeitavam de uma alergia, mandaram a cadelinha para casa, ainda com problemas respiratórios, sem qualquer medicação, nem sequer aconselhamento? Só disseram à dona que era normal aqueles ruídos, por causa do tubo que tiveram de lhe meter???
Talvez o problema fosse mesmo o tubo! Os chihuahua são muito pequeninos e é bem capaz de ter havido algum ferimento interior, ao ser o tubo introduzido por uma veterinária com pouca experiência, ou pouco cuidadosa. Eu sei que estou a especular, mas um ferimento interior poderia explicar o sangue deitado pela boca...

Coitadinha da Amélie, que tanto sofreu :(
Fico de lágrimas nos olhos. Ainda outro dia, no Facebook, a propósito de lavar os dentes ao cão, eu dizia que me custava levar a Lucy ao veterinário para a destartarização, por causa da anestesia.
Que horror :(

Pink Poison disse...

Um horror mesmo. Não troco a minha veterinária por nada. Bom e recomendo o centro veterinário de Sintra, onde fui de urgência... Muito Bom

Anónimo disse...

Desculpe mudar de assunto mas aconteceu.me o mesmo a mim. Na clínica dos Lusíadas do parque das nações deram.me o resultado de uma análise de 2014.e para eu marcar uma consulta de urgência que a análise (2016) apresentava valores que indicavam que algo estava mal.
Como vê não é só nos veterinários.

Cristina Torrão disse...

Lamentável, em qualquer caso!

Vespinha disse...

Sim, negligência não é só nos veterinários, e infelizmente vemos novos casos na televisão quase todos os dias... A questão é que nos veterinários também sucede muitas vezes, quase sempre sem visibilidade e com um encolher de ombros resignado por obre dos donos. E eu eu o diga, que quando aconteceu a troca das análises acabeinoir nem sequer reclamar...