17 de março de 2018

Adeus, Vespinha. Adeus, meu Amor

Vespinha, 2003-2018
Fui buscá-la há 14 anos numa noite de chuva a uma quinta no Carregado. Supostamente, esperava-me uma gatinha arraçada de siamesa, para fazer companhia à TT; na verdade, esperava-me um ser pequenino com pelagem indefinida, os bigodes cortados e o corpo coberto de pulgas. Agarrou-se a mim com tal força que não hesitei em trazê-la comigo.

Nos últimos 14 anos, a Vespinha esteve sempre ao pé de mim com a sua extrema meiguice, nas alegrias e nas tristezas, Numa separação difícil, em situações críticas de saúde, em conflitos familiares. Mas também bem perto da minha barriga na minha gravidez, e depois de as bebés nascerem sempre muito vigilante.

Há cerca de seis meses, os problemas foram-se sucedendo: extrema dificuldade em fazer cocó, problemas nas articulações, insuficiência renal, hipertiroidismo... Nos últimos dias começou a revelar intolerância à medicação, vomitando sangue. Hoje, mal se podia mexer, com dores agudas ao longo de todo o corpo.

Desde que tudo começou que me tinha mentalizado de que nunca lhe prolongaria o sofrimento, e tive de tomar a decisão hoje. Pelas 12h10, dei os meus últimos os beijinhos à Vespinha, a acariciei-lhe o seu pelo ainda macio pela última vez. Não coloquei outra hipótese em cima da mesa, mas a dor que sinto não tem fim, e as lágrimas não param de me cair pela cada abaixo. É que a Vespinha continua por todo o lado.

Adoro-te, minha querida gatinha.

10 comentários:

Pink Poison disse...

Já chorei a ler no face, agora venho novamente aqui. Nada do que nos digam nos acalma a dor, eles eram os nossos únicos, os especiais, as companhias. Fizeste o que podias e agora o que devias . Deixo - te um abraço apertado de quem ainda não recuperou do mesmo em Dezembro. 😘😘😘😘😘😘😘😘

Patrícia Lopes disse...

Entendo a tua dor... só quem ama os animais como familiares, sabe... Vc deu o teu amor a ela é foi feliz. Os meus sinceros sentimentos ;(

Anónimo disse...

222
É sempre tão difícil e doloroso... mesmo sabendo que não havia outra opção e que fizemos o melhor que podíamos. É duro. Mas lembrar os momentos bons, e as traquinices! e as turrinhas: isso, acima de tudo, pode ajudar. Um grande abraço

Ana Chagas disse...


Lamento imenso. Eu que já passei pelo mesmo tenho uma fé inabalável em, que se não os podemos salvar da doença, podemos e devemos ser compassivos e salvá-los do sofrimento. Um enorme e apertado abraço.

PEQUENOS DELITOS RENOVADOS disse...

Vespinha.... li um livro chamado Perdas Necessárias.
Talvez, seja essa a grande lição que você recebe de sua amiga.... entender que há perdas necessárias.
Beijos doces de consolo!!!!

GATA disse...

Eu conheço bem a tua dor... FORÇA!

Vespinha disse...

São muitas as saudades, mas também muita a tristeza de saber que teve de acabar assim...

CAP CRÉUS disse...

Força!
"Nunca te esqueças de te lembrar, e que nunca te lembres de esquecer"

moijeeu disse...

Já me fez chorar......Sei bem o que está a passar.....Já passei pelo mesmo, infelizmente, mais do que uma vez.
É sempre uma perda enorme. São nossa família. Guardo todos no meu coração.
Lembrá-los é mantê-los vivos.
Beijo enorme.

Vespinha disse...

Estas minhas meninas nunca vou esquecer... Agora tenho ainda a TT, que nos últimos meses tem ficado um pouco de lado e que está a precisar de atenção...