29 de abril de 2020

News

Sei que algumas pessoas têm dado pela falta de atividade aqui no blogue, por isso quero dar-vos uma satisfação. O único e verdadeiro motivo é a difícil adaptação à realidade que vivemos e a consequente falta de inspiração.

Estou metade da semana em teletrabalho intenso e a outra metade e fim de semana com as miúdas a full, que não me permitem um minuto de desatenção. Estão a ser tempos difíceis.


Ficar em casa com crianças pequenas não é poder ler à vontade. Ver filmes e séries sempre que nos apetecer. Comer coisas boas feitas com calma. Organizar livros, roupa e tudo o que estava há meses à espera. Dormir boas sestas. Conversar com os amigos. Inventar memes giros e partilhá-los. Esticarmo-nos no sofá ao sabor da vontade. 
 
Ficar em casa com duas crianças quase a fazer 4 anos é uma realidade totalmente diferente. É levantarmo-nos e já ter a casa num caos. É não conseguirmos tomar banho até às 11h porque antes disso há que arrumar tudo e tratar delas. É ouvir chamar-nos centenas de vezes por dia. É controlar a própria frustração delas e o comportamento que se alterou e até regrediu. É ter de pensar e confecionar todas as refeições a horas. É gerir birras e conflitos. É tentar inventar todas as brincadeiras possíveis. É não conseguir ter uma conversa ao telemóvel porque pedem atenção permanente. É não ter um minuto de silêncio ou de sossego. É não conseguir ler, ver filmes ou mesmo ouvir a nossa música. 
 
Ficar em casa com crianças pequenas é o maior desafio à sanidade mental que já vivi. 
 
Ao fim do dia, só sobra energia para ver uma ou outra série de episódios curtos (recomendo Killing Eve, na HBO, e After life, na Netflix) e ler meia dúzia de páginas para manter o hábito da leitura, que nunca esteve em níveis tão baixos (li O corpo, de Bill Bryson, Cair para dentro, de Valério Romão, Conspiração contra a América, de Philip Roth, e A educação dos gafanhotos, de David Machado).

Coisas positivas que entretanto aconteceram com as Oliveirinhas: já chegaram ao metro de altura, já sabem afiar os lápis sozinhas e já aprenderam a andar de bicicleta (com rodinhas). Duvido que lhes tivesse ensinado as duas últimas se não estivesse mais tempo com elas.

Tentarei vir aqui mais amiúde.

4 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Ficar em casa com as crianças é sim desafiante. Saturante etc... Estou diariamente com 2 netos- Uma com 15 (deficiente) e o irmão com 3... Ainda uma afilhada com 12 em escola virtual... É um desespero. A que ter paciência. Como a compreendo!

-
Desalento...
Beijos e uma excelente noite!

Nela disse...

Como eu a compreendo!Um bj e que tudo continue a correr bem.

Anónimo disse...

Ainda bem que está tudo bem :) Força, bjs
Sílvia

CAP CRÉUS disse...

Já consegui ler livros e dos grandes. Um deles estava encalhado há vários meses.
Força nisso!