23 de dezembro de 2012

A minha professora primária chegou pelo Natal



Eu e os meus irmãos partilhámos todos a mesma professora primária, a D. Carmen, pois como temos 4 anos de diferença entre cada um, durante 12 anos ela teve sempre um de nós na sua sala se aula. Uns mais caladinhos e aplicados, outros mais estouvados e distraídos. Nunca nos bateu, aplicou-nos alguns castigos, mas acima de tudo preparou-mos para grande parte do que são hoje as nossas vidas.

Há uns meses, sem sabermos bem porquê, começámos a interrogar-nos sobre o que seria feito da D. Carmen, se ainda seria viva (já tem 84 anos), se ainda estaria bem... E a minha mãe, que sempre teve uma grande lata e tem algum espírito de detetive, pôs-se em campo e depressa descobriu não só o seu paradeiro, como também que se encontrava bem (conduz e tudo!) e ainda conseguiu marcar um encontro connosco lá em casa. Esse encontro deu-se na passada 6.ª feira, dia 21.12, uma dos noites mais felizes deste meu ano de 2012. Pelas 20h, quando eu e o meu irmão a fomos buscar, já estava à nossa espera à janela da sua casa de Carcavelos, com medo que nos perdêssemos. Quando nos viu, a alegria foi imensa. Que estávamos iguais, que os os seus meninos estavam iguais, palavras que só poderiam sair da boca de uma professora primária ou dos nossos pais.

Pelo caminho, perguntou várias vezes pela minha irmã dos Açores, com pena de não a poder ver, e falou-nos ainda de uma data de coleguinhas de cujos nomes se lembra na ponta da língua. A surpresa duplicou quando, chegados a casa da minha mãe, lá estava também a minha irmã e o Nuno, o meu amigo mais antigo e meu colega de carteira desde a 3.ª classe.

Que noite tão bem passada! Durante foras, rimo-nos, recordámos-nos, fomos pequeninos outra vez.

E apercebemo-nos de quando somos pequenos vivemos num mundo que é muito nosso e muito protegido, tais foram as histórias que ouvimos e que nos provaram que vivíamos numa espécie de Twin Peaks à portuguesa que felizmente nunca nos foi revelada. Mas isso ficará para outro típico, em estilo de tragicomédia.

Neste, só quero ainda registar o espanto da D. Carmen e o meu próprio espanto quando me perguntou: Ritinha, ainda te lembras de como eu ensinava o «c» de cedilha? E eu respondi prontamente: Era um «c» a fazer chichi. O que nos rimos! Como é que eu fui recordar algo tão bem guardo na minha memória há mais de 30 anos? So mesmo com uma professora como ela isto poderia ter acontecido. E que bom estar ali a ouvir a sua voz, com o seu sotaque de Vila do Conde, usando expressões como «à minha beira» em vez de «ao pé de mim» ou «cautela» em vez de «cuidado».


Nota 1: O próximo encontro já está marcado para depois das festas, com direito a fotografias da escola que ela nos vai levar e com o cenário do pavilhão chinês como fundo, onde ela nunca foi e onde tencionamos levá-la.

Nota 2: Obrigada, Mamã, sem ti iso não teria acontecido!

18 comentários:

MJ With Love disse...

Extraordinário!
Que bom terem tido assim uma professora que tanto vos marcasse de forma tão positiva. E depois, esse reencontro 30 anos mais tarde e relembrar esses bons momentos, as aprendizagens que tiveram com ela muito para além do currículo. ;)

CAP CRÉUS disse...

Adorei! Muito bom!
Parabéns!

Filipa disse...

Feliz Natal querida:)))

Http://styleloveandsushi.blogspot.com

. margarida . disse...

Lindo !

O verdadeiro presente de Natal.
E poder voltar atrás no tempo...
a um tempo de intensa felicidade.

Aproveito para lhe desejar

Feliz Natal & 2013 cheíinho de

momentos felizes.

E saúde.

. margarida .

Pippa Coco disse...

Que bela ideia!! Adorava rever a minha :))

pippacoco.blogspot.pt

sininho disse...

tive 3... da primeira desconheço o paradeiro, a segunda sei que morreu e a terceira (a do 3.º e 4.º ano) vejo com frequência... :)

sininho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
papoila disse...

Que girooo!
Realmente não há bem mais precioso do que a amizade e as pessoas!
A tua mãe foi extraordinária ao conseguir juntar-vos e surpreender-vos.
Adorei. Boas Festas e bons encontros.
xx

Lígia disse...

Emocionei-me até às lágrimas...agora percebo o quão boa noite foi:)

joana disse...

fiquei comovida :) que bom!! ***

Vespinha disse...

Até eu fico com lágrimas nos olhos sempre que volto a este tópico... :) Foi uma noite tão, tão feliz!

ana george disse...

Esta noite realmente tinha que ser partilhada! Que cena linda!

Anónimo disse...

Vespa,

Por acaso não andaste na escola nº1 da localidade onde fica a igreja que postaste no tópico mais recente?

Vespinha disse...

Sim, andei na Primária de Alfragide, na altura era a única primária que lá havia! Não me digas que fomos colegas...

Carolina Duarte disse...

Que relato delicioso!

Dani disse...

Que coisa tão bonita!

Vespinha disse...

Foram momentos inesquecíveis...

Cristina Torrão disse...

Que engraçado, todos os irmãos terem tido a mesma professora! Ainda bem que puderam passar uma noite tão feliz :)