27 de dezembro de 2013

Num balcão das Finanças

Ontem tive de ir a uma repartição de Finanças, para esclarecer uma dúvida a que já tinha tentado obter resposta por mail há cerca de um mês. É claro que por mail não veio resposta nenhuma.

Enquanto esperava pela minha vez, fui lendo as mensagens que iam passando no ecrã das senhas e achei especialmente curiosas as normas de conduta dos funcionários e dos utentes. Aos funcionários cabia, entre outras coisas, demonstrar simpatia e tratar os utentes com calma e educação. Aos utentes, respeitar a sua vez e manter o silêncio q.b.

Quando fui finalmente atendida, e já depois de me esclarecerem a dúvida (fiquei a saber que tenho de lá voltar em janeiro), comentei com a funcionária que nunca me tinham respondido ao mail. Ia saltando para cima de mim, como se o mail lhe tivesse sido dirigido. Levantou o tom de voz, que não tinha culpa, que eu me queixasse ao governo. Até que eu, simplesmente, lhe pedi que não gritasse. E de repente parou. Acabei por não ter oportunidade de lhe relembrar as normas de conduta que passavam no ecrã.

5 comentários:

Gisela disse...

Muito provavelmente essa mulher pode estar com um esgotamento- burn out...e estar cansada de muitos lhe gritarem como se ela tivesse a culpa de tudo. Fizeste bem em lhe pedir com calma para ela não gritar. Pode ter sido o click que leve esta mulher ao medico,quem sabe.

CAP CRÉUS disse...

Anda tudo queimado Vespinha.
Tudo mesmo :-(

Vespinha disse...

A verdade é que no dia seguinte tinha no meu mail a resposta da DGCI à minha dúvida de 15.11 (que por acaso corresponde à que ela me deu). Deve ter sido ela a ativar a resposta...

Sérgio S disse...

Anda tudo histérico... Vê-se nas ruas... Sente-se em todo lado... Bastará uma pequena faísca e...

Vespinha disse...

É verdade... :( Temos de aprender a respirar fundo!