18 de agosto de 2014

Estocolmo, dia 1

O dia 1 não foi bem um dia, porque graças aos serviços da TAP uma viagem que devia durar quatro horas e meia durou sete. Sim, SETE (uma hora de atraso na partida + uma hora já dentro do avião à espera da descolagem + meia hora a mais no trajeto).

Mas à chegada tive a agradável surpresa de o terminal de autocarros ser a menos de 100 metros do hotel. Assim, ainda tive tempo para ir ver isto:

- Sankt Johannes kirka - para quem não sabe, é debaixo desta igreja que se passam algumas das cenas mais chocantes do último livro da dupla Erik Axl Sund, Fome de fogo;


- andar pela rua que percorreria mais vezes, a Drottninggatan, e onde gastaria umas largas centenas de coroas suecas;


- conhecer o quarto mais pequeno onde dormi na vida. O que não significa velho nem desconfortável, sublinhe-se;


- e assistir a um episódio dos Simpsons legendado em sueco. Obrigada, televisão sueca, por não fazerem dobragens.

7 comentários:

GATA disse...

Ah, a Drottninggatan e os seus leões - like! :-)

PS1: ver/ouvir uma entrevista com o Akon em croata também foi uma experiência gira... especialmente porque diziam "Akona"! :-)

PS2: nunca andaste na Iberia, pois não??? eu digo-te apenas o que é 'vox populi' sobre a Iberia - "sale cuando sale, llega cuando llega" - olé! :-)

Ana Chagas disse...



O "circuito nórdico" está na minha bucket list. São destinos que me atraem como poucos.
O maior senão é a viagem. Não sou fã de andar de avião, e como boa virginiana que sou os atrasos deixam-me à beira de um avc.

Vespinha disse...

A viagem para lá deixou-me de rastos... mas tudo o resto valeu a pena!

Alex disse...

Aguardamos a partilha de mais imagens e peripécias!

medusa disse...

Eu não disse que os quartos eram pequenos? hehehe Mas espero que esse tivesse janela

Vespinha disse...

Bom disseste, Medusa. Mas eu, avisada por ti, pedi antecipadamente um com janela. Deu na boa!

Cristina Torrão disse...

Na Alemanha, é tudo dobrado. Embora eu domine a língua, continuo a detestar :(