2 de setembro de 2014

Outra perspetiva do Bucket Challenge...

... e que não é nada de descurar.


Não, não sou fundamentalista, mas não posso negar que penso muitas vezes nas desgraçadas mulheres que em alguns países africanos percorrem quilómetros por uns míseros litros de água. Penso nelas quando vejo condutas de água rotas na rua, regas públicas em dias de chuva ou a horas de muito calor. E quando vejo esta palhaçada do balde.

5 comentários:

Teresa Cardoso disse...

Palhaçada :(

Ana Chagas disse...


Olá Vespinha,

Acho que faz parte de mim procurar ver o lado positivo de tudo. De tal maneira, que começo a pensar que é a minha missão no mundo.
A minha posição foi que não iria criticar nenhuma destas campanhas, as que tivessem como propósito a solidariedade, simplesmente porque achei que pelo menos estão a fazer o Bem, e isso é de valor.
No entanto, por mais respeito e admiração que tenha pela "função", não significa que me reveje na "forma".
E sim, concordo contigo, a água é demasiado preciosa e o acesso à mesma não é fácil para todos.

No entanto o lado positivo disto, (eu sei eu sei, raios partam que lá estou eu!), é que nunca se falou tanto (ou quase) sobre o desperdício de água como agora. Essa atenção bem canalizada pode dar origem a campanhas de construção de poços em cenários subdesenvolvidos, e uma melhor gestão do h2o por parte de todos.

Vespinha disse...

Ana, gosto dessa tua maneira de encontrar o lado bom nas coisas. :)

Ana Chagas disse...


Obrigada :D

Anónimo disse...

Boa noite,
uma palhaçada, que passará de moda brevemente e a doença/doentes voltarão ao esquecimento.