29 de outubro de 2015

Crédito fácil: sinais (maus) de mudança


Já repararam na quantidade de anúncios na televisão a empresas de crédito fácil? Provavelmente também andarão pela imprensa, mas é na televisão que os vejo mais. O negócio andou um pouco mais parado (ou escondido) durante uns anos, mas agora parece ter voltado e em força.

As cenas retratadas são sempre idílicas: famílias felizes, casais apaixonados, mães a ajudar os filhos a estudar, pais com bebés ao colo... Mas por trás de tanta felicidade está o perigo do crédito fácil, aquele em que basta uma assinatura para receber até €50 000 que podem demorar 8 anos a pagar e estragar uma vida.

Só para terem uma ideia, de acordo com uma simulação que fiz para €50 000 a pagar em 96 meses, no final terão sido pagos acima de €87 000! Mas se pedir um empréstimo de «apenas» €20 000, o valor no final serão quase €35 000. Quase o dobro.

Um perigo, portanto. Perigo que eu achava que estava mais controlado mas que afinal está à vista de todos. Uma vergonha.

4 comentários:

CAP CRÉUS disse...

E a quantidade de carros novos? Ou com um ano ou menos?

Ana Chagas disse...


bom dia :)

Foste encontrar um tema que dá pano para mangas!
A nossa memória colectiva é curta, porque se viajarmos no tempo até aos primeiros sinais desta crise e se avaliarmos os seus sintomas e motivos, poderíamos verificar que o ´"crédito fácil" está na lista.
Um dos maiores problemas é que são poucas as pessoas que possuem o discernimento para fazer as contas que tu acabaste de fazer, porque se o fizessem creio que muitos chegariam à conclusão que, se não for uma urgência urgentíssima, podem bem esperar mais uns tempos e ir poupando para comprar X ou Y.
As campanhas de publicidade a estes produtos financeiros também não ajudam à abordagem séria e ponderada com que se deve lidar com as questões financeiras. A culpa não morre solteira.
Há tanto para dizer sobre isto, mas concluo dizendo que é óptimo que tenhas tocado neste tema, porque a memória é curta, e é preciso uma espécie de campanha para ver se, em tão curto espaço de tempo, não voltamos todos a repetir os mesmos erros que nos meteram nesta alhada da crise.

GATA disse...

The 90's are back! Pessoas que compram férias na República Dominicana e passados 2 anos ainda estão a pagá-las... Mas, 'prontos', podem sempre gabar-se que fizeram férias na República Dominicana! LOL

Vespinha disse...

É isso tudo, carros novos, férias em grande, compras que não se percebe com que dinheiro foram pagas... Nos últimos anos, com medo da austeridade, estas empresas andaram muito desaparecidas, mas agora as pessoas julgam que já está tudo bem, e toca a gastar o que não têm.

Muita gente não tem cabeça, mas por isso mesmo acho que devia haver alguma espécie de fiscalização que supervisionasse isto. Lembro-me de há uns anos ter recebido um cheque de uma dessas empresas, em meu nome, que bastava assinar um papel e devolver para ficar com €20 000. Há muita gente que cai...

Detesto créditos, só tenho mesmo para pagar a casa. Felizmente tenho carro da empresa, mas se tivesse de comprar um preferiria em segunda mão ou esperar para ter dinheiro para o pagar a pronto.