25 de janeiro de 2016

Cavaco Silva colocou a cereja no topo do bolo

Por isso, para terminar o seu mandato em beleza, acaba de vetar o diploma que previa a adoção de crianças por casais do mesmo sexo. Diploma esse aprovado na Assembleia da República por maioria de votos do PS, BE, PCE, PEV e pela deputada do PSD Paula Teixeira da Cruz. Que, sublinhe-se, foi alvo de um processo disciplinar por parte do seu partido por não ter respeitado a disciplina de voto.

Falta pouco mais de um mês para esta múmia retrógrada sair de vez das nossas vidas, não sem antes deixar mais uma mossa, e das grandes. Cavaco não sabe o que é uma criança a viver numa instituição. Não sabe o que é uma criança a viver com pais alcoólicos ou toxicodependentes. Não sabe o que é uma criança a viver vítima de violência ou de pedofilia intrafamiliar. Porque se soubesse não as deixaria viver assim, e equacionaria se não seria melhor viverem em paz no seio de uma família homossexual, com dois pais ou duas mães que as amariam incondicionalmente.

Estou enojada com mais este gesto, estou enojada com os comentários que li, e estou enojada com o modo como se processam as adoções em Portugal. Porque sei que, mesmo que a lei passe (imprescindível num país de liberdade, igualdade e democracia), os casais homossexuais ficarão para trás na adoção, tal como ficam os candidatos singulares, em detrimento de famílias «normais» que muitas vezes acabam por devolver as crianças. Mas isto ficará para outro tópico.

Para já, fica o protesto. E a expectativa de, se um dia o diploma voltar ao presidente da República, aquele que o será, Marcelo Rebelo de Sousa, não o vete tal como declarou durante esta campanha. Será uma das suas primeiras provas de fogo.

8 comentários:

Ana Chagas disse...



É uma múmia ressabiada é o que é! Só revela o tipo de pessoa que é, para quem ainda tinha dúvidas sobre a sua verdadeira natureza. Poderia ter optado por encerrar funções com discrição e dignidade, fazia um discurso de despedida e ia à sua vida. Mas não, não resistiu a ser puramente ruim e egoísta, como uma criança que é capaz de partir um brinquedo de propósito só porque a obrigam a partilhar.
Odeio gente má!

CAP CRÉUS disse...

Um nojo de gente e digo mais. Um nojo de família, desde o Pai até ao genro.
Julgam-se acima dos restantes e não podia ficar quieto e ir embora de vez.
Esterco. Um esterco de gente.

Pink Poison disse...

Conheço bem a família toda dele, acho que ainda são familiares bem distantes meus e em Boliqueime nunca se falou muito bem desta gente, embora seja a jóia do sítio desde que foi primeiro -ministro. Agora é uma nódoa, como professor e economista fazia um brilharete, como político, é um cadáver. Preconceituoso. Tenho vergonha de ser algarvia como este homem.

Vespinha disse...

Depois da triste figura que fez durante todos estes anos, e de ter representado o país de forma miserável, ainda quis deixar marca... Mesquinho... Mas pelo que li hoje, o diploma voltará às mãso dele, que terá de o aprovar! :)

Pink Poison disse...

Eu ontem já tinha ouvido que o diploma iria voltar às mãos dele, a ver vamos...

Vespinha disse...

Volta, volta, ai volta, volta... ;)

GATA disse...

Concordo, e subscrevo, tudo o que escreveste. O amor não tem género, raça ou credo. Mas, infelizmente, o dia em que seremos, de facto, todos iguais nunca chegará, porque haverá sempre preconceito e discriminação.

Vespinha disse...

Acho que já fomos mais preconceituosos, mas ainda assim custa-me que haja tanta gente nova que ainda o é. Muitos esquecem-se que aquilo que discriminam pode um dia cair-lhes no prato.