11 de janeiro de 2016

Estrela negra (1947-2016)


O mundo ficou muito mais pobre e eu não sei o que dizer. Nem consigo expressar o que sinto. Pode parecer estranho, mas parece que me falta um bocado. Bowie era uma das minhas grandes referências, a maior a nível musical e de modernismo.

Morreu ontem, depois de uma luta silenciosa de 18 meses contra um cancro. Guardou o segredo até ao fim, e até nisto Bowie foi diferente.

Fez 69 anos na sexta-feira, dia em que também lançou o seu 25.º álbum, Blackstar. Estrela negra. Uma das minhas estrelas.

8 comentários:

CAP CRÉUS disse...

Li agora nas noticias e lembrei-me logo de ti.
Os bons parece que se vão todos. :-(

GATA disse...

A última vez que senti a perda de alguém que não é próximo foi quando faleceu o Ayrton Senna (até porque assisti, como tantas pessoas, à sua morte em directo). Os grandes não morrem, e o David Bowie continuará presente porque a sua presença, mesmo etérea, é fortísima!

Anónimo disse...

222
Estou em choque... :(

Sérgio S disse...

Ouvi hoje na rádio. Nestes momentos começo a sentir que existe uma geração que atingiu o pico nos anos 70 a desaparecer.

A.João disse...

Que noticia tão triste... Bowie sempre foi o meu preferido. Fez aquele que é o meu disco preferido de sempre: Ziggy Stardust and the Spiders From Mars.....

Vespinha disse...

Era uma referência TÃO grande... Sempre a evoluir... Mais do que adaptar-se aos novos tempos, Bowie criava-os!

Senti uma perda assim quando Vergílio Ferreira morreu, há 20 anos. Tal como na altura, confesso que hoje já chorei... há um aperto que não me larga.

Pink Poison disse...

O quê????? Mas ainda na sexta... oh meu Deus que mundo!!!

Vespinha disse...

Pois... Não dá para acreditar... :(