7 de novembro de 2017

Copenhaga: os clássicos

Arrumo nesta categoria aquelas coisas que toda a gente quer à partida ver em Copenhaga e que eu também não quis deixar de ver.

Nyhavn 
É o “porto novo”, aquela imagem clássica de Copenhaga com as casinhas coloridas a ladear o canal preenchido de barcos. É muito bonito, sobretudo num dia de sol em que as cores das casas ganham outra vida.


Pequena sereia
Já sabia que era de facto muito pequena, por isso não me desiludiu nem me entusiasmou. Aproveitei um passeio de barco para a ver de passagem.


National Museum of Denmark
Um museu sobre quem habitou o território desde a pré-História até aos nossos dias. A parte da Pré-História e dos primeiros povos (talvez até à Idade Média) está bastante bem organizada, mas depois andei ali um bocado perdida a saltitar entre os anos posteriores.


Os passeios de barco
São uma boa forma de ficar a conhecer toda a zona portuária em pouco mais de uma hora. De ambos os lados do canal, zonas de lazer na água, edifícios modernos como a Ópera ou o Diamante Negro (a biblioteca), ou zonas mais residenciais com vistas brutais.


Os palácios
Visitei Rosenborg e Amalienborg e ficaram alguns de fora. É sempre interessante ver palácios por dentro, sobretudo se estiverem fiéis à época, mas é algo que também temos por cá por isso não foi nada de extremamente surpreendente.


As bicicletas
Metade da população de Copenhaga desloca-se de bicicleta, com uma grande tranquilidade. Ao contrário do que senti em Amesterdão, onde parecia que os ciclistas se deslocavam com fúria, o que causava grande stress nos peões, em Copenhaga andam com uma enorme calma, o que acaba por refletir a sua maneira de ser.

2 comentários:

Ana Chagas disse...


Bom dia! :)

Super curiosa para saber o que mais te surpreendeu e gostaste.

GATA disse...

A Pequena Sereia é, de facto, pequena... Eu fui em época baixa e, mesmo assim, havia cerca de 50 pessoas; imagino na época alta, as pessoas não devem conseguir ver a estátua!

O National Museum of Denmark... Segundo li algures, é um bom exemplo de como os dinamarqueses são bons a projectar museus... mas, sob o efeito do "Síndrome de Copenhaga", até dentro do museu eu me perdi!

Os passeios de barco são sempre uma boa opção para ver a cidade... e descansar de tanto andar!