18 de março de 2020

Adiar a vida

Adiamos idas ao médico.
Adiamos idas ao parque.
Adiamos passeios a pé ou de bicicleta.
Adiamos comemorações de aniversário.
Adiamos o conforto na morte.
Adiamos dias comemorativos.
Adiamos jantar com os amigos ou com a família.
Adiamos exames importantes.
Adiamos a ida para o trabalho.
Adiamos um café na esplanada.
Adiamos visitas aos idosos ou aos doentes.
Adiamos viagens marcadas há meses.
Adiamos uma dor de dentes.
Adiamos idas ao cinema, ao teatro ou a um concerto.
Adiamos conduzir só porque nos apetece.
Adiamos a aprendizagem nas escolas.
Adiamos intervenções cirúrgicas.
Adiamos ir dançar.
Adiamos prazos de tarefas.
Adiamos casamentos.
Adiamos reuniões.
Adiamos ver os nossos pais e avós.

E, sobretudo, adiamos beijos, abraços e carícias. Aquilo que mais nos humaniza.

Que isto passe depressa.

3 comentários:

Maria do Mundo disse...

Desejo profundamente que isto passe depressa. E desejo profundamente que tiremos lições de tudo isto, nomeadamente de que os afectos são muito, muito importantes.

Cidália Ferreira disse...

E por fim, tiramos disto uma grande lição de vida no que diz respeito às poupanças! Adorei ler
-
A fé atravessa-nos o pensamento cruel
-
Beijos e uma excelente noite!

Nada disse...

Estamos todos a contar os dias para que isto acabe.